quarta-feira, 10 de junho de 2015

CADEIRA DE BALOIÇO

Estou sentada e toda desarrumada na minha cadeira de baloiço
matreira, coçada, confortável, ousada, sabichona, segredeira
que já está acostumada às minhas posições desconchavadas
e por isso, já nem se queixa, e nem tuge nem muge, coitada!
É confidente, minha cúmplice, amiga do peito, espaço devasso
onde não tenho posturas alinhavadas, ensaiadas e costuradas
que a sociedade depravada resolveu impor, em forma de fachada
à consciência, mas a minha, há muito, que estava sã e purificada. 

É nela que viajo por antros profanos, transgressores e estranhos
que só eu sei onde os procurar e os achar, e neles me enlear
como uma serpente domesticada, que faz habilidades por nada
apenas perscruta, obedece, executa, sem tão pouco questionar.
É na minha astuta cadeira que me dilato, alimento e me abro
como e quando eu muito bem quiser, e com quem me apetecer
porque ela engaveta segredos, bem melhor que um ser racional
e é deveras superior, asseguro-vos, a qualquer cama convencional.

Por isso, só nela me espreguiço, me enrosco, desenrosco e me dou
quando me pretendo espraiar, libertar, endiabrar, soltar e aliviar
e aquela doce tarada, ainda me atiça, quando me diz, descarada
para eu me escancarar, me divertir, me mostrar e ainda sorrir.
Na opinião dela, eu tenho tudo a desfrutar, a usufruir e a ganhar
na mais obscena provocação, libertinagem e péssima formação
que jamais me foi incutida, falada, pensada, aprendida e utilizada
não fazendo parte, juro-vos, do meu curriculum vitae e educação.

Hoje, vou pôr um baby-doll de cetim escorregadio, que impressione
burguês, de alças safadas, à mercê e bem à vontade do freguês
de pezinho ao leu e cabelo emproado com um acessório provisório
que é verbo de encher, pois já está todo torto, lasso, quase solto.
Sobre a minha pele, ai que desavergonhada, não tenho nada, nada
porque sou liberdade, natureza sem espartilho e toda, toda vontade
que se vê no cruzar e descruzar de pernas, melhor que Sharon Stone
numa elegância total, irreverência voraz, atraente e substância fatal.

Felizmente, e por opção, vivo sozinha, e a casa é totalmente minha
nela faço o que me apetece, o que maquino e que me entontece
com gemidos e gritos sortidos, filhos da minha essência adjacente
que já está habituadíssima a estas maluquices inconsequentes.
Lendo-me, gosto de ser felina e libertina, e de proceder assim
sem nada nem ninguém me repreender, me rotular e me criticar
mas também me dá prazer amuar, fazer beicinho e choramingar
para que me desejem, como doce aprazível, conventual e irresistível.

Apesar deste meu comportamento raro, vejam só o descaramento
que me chegou aos ouvidos, já surdos, mudos e empedernidos
para aquilo que os outros possam achar, observar e classificar
porque eu sei muito bem quem sou, o que faço e o que valho.
Então, não é que o meu amor, afirmou, gritou a plenos pulmões
que gostaria, adoraria que eu fizesse no corpo dele, sem hesitações
tudo aquilo que executo, desempoeirada, insubmissa e desvairada
na minha cadeira de baloiço, mas penso que ele não tem arcaboiço.

Bem, mas mesmo assim, vou experimentar, nem que seja a brincar
para perceber, avaliar e acreditar no sentimento, que o devora
e que ele diz ter por mim, e do qual tenho dúvidas, mil, sem fim
para que toda a verdade seja posta à prova, sem qualquer demora.
Esta noite, vou convidá-lo para vir a minha casa, só para tagarelar
e depois iniciarei a minha atuação desenfreada, mas com elevação
para que eu veja as reações dele, as atitudes, os gestos, as emoções
obtendo eu, deste jeito, uma radiografia sensitiva, de todo conclusiva. 

Ouvem-se as pancadas de Molière, ou seja, as do meu tímido coração
começando o meu corpo a insinuar-se, a aconchegar-se e a dar-se
numa volúpia exacerbada, lavada, num êxtase sem transgressão
que lhe mostrava quem eu era, o que fazia e o que por ele sentia.
Mas o que é isto, sinto-me a desfalecer nos braços dele, a morrer
sem hipótese de dizer amo-te, e nem que fosse a última palavra
que eu proferisse, antes de partir para o implacável fogo do inferno
mas um beijo dele, quente e longo, devolveu-me à vida, para sempre.


CÉU

75 comentários:

  1. Sempre temos um cantinho ou um lugar para um encontro com nós mesmos, são nesses cantinho ou lugar que nos aconselhamos, tiramos dúvidas, temos nossos momentos de fé e até mesmo de amor.
    Sempre são amigos, sempre tem as soluções
    São nesses cantinhos ou lugares que nós nos (re) conhecemos

    Beijos
    Rafael

    ResponderEliminar
  2. Querida CEU.

    Me tocas las mas sensible a fibras con tu publicación.

    Que buen post.

    Respecto a tu pregunta en mi blog, Miami está cinco horas atrás de Lisboa.

    Un abrazo!!!

    ResponderEliminar
  3. Isto hoje está difícil.
    Dizer só por dizer não soa bem, porque quando a obra excede o pensamento as palavras parecem ocas.
    Eu andei perdido nos pensamentos, baloicei a imaginação nos solavancos dessa cadeira e a respiração ficou ofegante. Veja bem, só de pensar.
    Cara Céu, por vezes imagino que, nesse paraíso, existe um pequeno diabo para nos perder no emaranhado de tanta loucura.
    Diogo e confirmo : EXCELENTE !!!!

    ResponderEliminar
  4. Que loucura, essa cadeira de baloiço.

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Céu me pergunto de onde vem tanta inspiração...seus poemas são arte e amei a musica e o video....bjucas

    ResponderEliminar
  6. Olá Céu, gosto da forma como encenas as palavras e dás formas aos desejos, incitando a imaginação. És divina, na arte de expressar um amor intenso e profundo, através de seus poemas. Parabéns, obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderEliminar
  7. Delicioso poema, dessa personagem que transgride as regras não por um simples revanchismo pela sociedade...mas por não abrir mão de ser quem é, nem de seus sonhos de amor, um amor vivido à sua maneira e não da maneira como outros desejariam lhe impor.
    A música combina perfeitamente, e é também um deleite.
    Um grande abraço, e ótimo finalzinho de semana.

    Bíndi e Ghost

    ResponderEliminar
  8. Pois é Céu!
    Com uma cadeira de balanço como essa, tens mesmo que transgredir. Santa consciência purificada e transgressora.
    Enquanto você balança eu flutuo na tua imaginação.
    Beijos e boa noite!

    ResponderEliminar
  9. É nela que viajo por antros profanos, transgressores e estranhos
    que só eu sei onde os procurar e os achar, e neles me enlear
    como uma serpente domesticada, e que faz habilidades por nada
    apenas perscruta, obedece, executa, sem tão pouco questionar.
    É na minha astuta cadeira que me dilato, alimento e me abro
    como e quando eu muito bem quiser, e com quem me apetecer
    porque ela engaveta segredos, bem melhor que um ser racional
    e é deveras superior, asseguro-vos, a qualquer cama convencional.

    A cadeira tem o dom especial de nos enviar a mundos inimagináveis, principalmente, quando balançando. Rsrs. Aqui em casa temos duas destas cadeiras, e damos graças a DEUS porque nao falam, pois se falassem...Rsrs.

    Agradeço pela tua visita e gentil comentário deixado no nosso Literatura & Companhia Ilimitada. Espero que voltes mais vezes.

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderEliminar
  10. Recebeu o príncipe e levou-o aos céus e aos infernos.
    Sem intervalos nem passagens por purgatórios que são sempre desnecessárias.
    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Te resucitó y luego nació el poema.
    Muy bueno.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  12. Que texto belíssimo, Céu! Tem o efeito de um perfume adorável que invade as narinas, tonteia, e faz ficar refletindo com um sorriso no rosto.

    Beijo.
    www.dilemascotidianos.blogspot.com

    ResponderEliminar
  13. Gosto sempre tanto do que escreves!

    r: Ainda bem que gostaste :)
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  14. Olá amiga! Passando para agradecer a tua visita e gentil comentário deixado no nosso Arte & Emoções, me deliciar mais uma vez com a leitura deste teu belo poema.

    Beijos e muita saúde e paz para ti e para os teus,

    Furtado.

    ResponderEliminar
  15. SE SIENTEN LAS PULSACIONES!!!
    ABRAZOS

    ResponderEliminar
  16. El cuerpo de una mujer,és lo más ferfecto que nos ofrce la evolución

    ResponderEliminar
  17. Un buen poema. Te felicito.
    Un abrazo

    ResponderEliminar
  18. Dei por mim nesta cadeira de baloiço :)
    Obrigada pela visita. Tenho estado de férias e um pouco ausente da escrita. Não consigo deixar de me lembrar dela (a escrita) mas nem sempre encontro espaço para ela, enfim, são manias.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Na cadeira de baloiço
    Sempre és uma atrevida
    Costumeiramente oiço
    Confissão mais pervertida
    Que fora dela não dizes
    Conjuro que o avalizes
    Estando nos braços meus

    Rompante de meretrizes
    Libera instinto animal
    Pra que não me atemorizes
    Diz o que vale afinal
    As convenções de museus
    Ou ser rico entre os plebeus
    Se não me queres amante

    Eu quero o que me avive
    E tudo que me seduz
    E que nada mais me prive
    De beber a tua luz
    Eu só quero neste instante
    Que o céu me alevante
    Pois padeço em calaboiço.

    Kisojn.

    ResponderEliminar
  20. Bom dia Céu.
    Mais um belo poema, a musica completou divinamente. Que poder desse beijo para devolver uma vida para sempre, seria o beijo do amor rsrs. Um feliz dia dos namorados amiga. Abraços.

    ResponderEliminar
  21. E que cando os bicos son quentes e longos "resucitante"
    bicos
    André

    ResponderEliminar
  22. Belas palavras que seduzem como sempre e que nos prendem até o final.
    Muito obrigada querida pelo carinho de sua visita.
    Excelente final de semana.

    ResponderEliminar
  23. é uma encenadora exímia, minha amiga (permita-me a familiaridade)
    domina na perfeição todas as "regras" do grande Espectáculo
    isso deve-se à leitura dos "clássicos", naturalmente...
    mas, desculpe-me a franqueza, a sua perversidade soft (tipo ligações perigosas) ainda requer muita "filosofia"...

    em qualquer caso, continue a praticar, que a "prática" "es la madre de todolas cosas"

    cordialmente

    ResponderEliminar
  24. Não tenho uma cadeira de baloiço como a tua, mas de vez em quando gosto de me enroscar no meu sofá e, com a casa vazia de gente, sinto-me livre, leve e solta e desse modo vai para longe o pensamento, a imaginação, o sonho. Há quem diga que nunca se consegue
    a plena liberdade e eu dou razão a esse argumento. Por mais que queiramos, há sempre um entrave à nossa liberdade, mesmo dento da nossa própria casa. Mas...nessa tua cadeira de baloiço com certeza és livre. Belo texto, amiga! Um beijinho e um bom fim de semana
    Emília

    ResponderEliminar
  25. Também tenho uma cadeira assim, mas tenho sido muito ingrato para ela. Vou-lhe mostrar este texto e dizer-lhe que o subscrevo tim tim por tim tim.
    Beijinho e bom FDS, Céu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coitadinha da sua cadeira, Carlos! Todavia, ainda vai a tempo de dar-lhe miminhos.

      Beijinhos e bom fim de semana.

      Eliminar
  26. oi Céu, talvez não tenhas visto o blogue de poesias em português que traduzo simplesmente, "free translation..." dos poemas em língua portuguesa

    http://poesiesenportugais.blogspot.pt/

    já pensei te pedir um poema que eu pudesse traduzir e colocar no dito blogue !
    difícil como linguagem mas não temos nada a perder, pois não? que achas que eu possa traduzir um dos teus fogosos poemas, assim um dos mais pequenos....
    abraços
    Angela

    ResponderEliminar
  27. r: Sem dúvida!
    Obrigada e igualmente, beijinhos*

    ResponderEliminar
  28. Olá, gostei muito do teu blog e sempre que conseguir vou vir aqui :)

    R : Muito obrigada pela dica.

    ResponderEliminar
  29. La vida vuelve siempre.... y esta vez con toda la fuerza de tu hermoso poema
    Paz y Rosas
    Isaac

    ResponderEliminar
  30. Minha amiga é sempre um enorme prazer ler os seus belos e sensuais textos, que para além da beleza também são bastante estimulantes.
    Um abraço e um bom Domingo.

    ResponderEliminar
  31. R : Muito Muito Obrigada pelas palavras que deixou no meu blog, custa seguir em frente, estou muito magoada com isto que ele fez e hoje custou tanto não mandar 1 mensagem sequer ...

    ResponderEliminar
  32. Esa mecedora sabe mucho de ti y guarda tus secretos.
    He utilizado el traductor, pero no creas que me ha ayudado mucho, en principio me lo traduce como el que está en la mecedora es un hombre y no una mujer.
    La traducción al español pierde muchísimo encanto, prefiero enterarme de lo poquito que sé de portugués y disfrutar de la sonoridad que tienen tus versos.
    En Septiembre hará 7 años que he perdido al amor que guiaba mi vida. Con ésto habré contestado a tu pregunta.
    Cariños y buena semana.
    kasioles

    ResponderEliminar
  33. Tanta sensualidade neste texto... :) Beijo *

    ResponderEliminar
  34. Os segredos que uma cadeira de baloiço abarca!...
    Preciosa poesia, meticulosamente tratada, com um efeito sensual perfeito.
    Parabéns.


    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  35. Olá Céu!

    He tardado un poco, perdona, pero no olvido tu arte ni pasar a disfrutarlo , y quiero hacerlo tranquilo y leyendo en tu lengua, hermana de la mía. Pienso que la poesía es lo más difícil de traducir, pero estando concentrado y en calma creo que entiendo bastante bien tu escrito original.

    También creo que hay objetos con alma y con memoria, con deseos y recuerdos. Tengo una mecedora muy cerca, pero es muy raro que me siente en ella; era de mi abuela materna, una mujer excepcional a la que aún amo y adoro. Sin embargo, no sé qué me da sentarme en su silla, en la que le hice el último retrato, en la que siempre la vi muy en paz, a gusto y plena de sabiduría. Serena.

    Muchas gracias por tus poemas, son muy exquisitos.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  36. Apetecia-me perguntar onde se compram essas cadeiras, mas não pergunto:-)
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já estás a perguntar, embora indiretamente. Em Paços de Ferreira e arredores, encontras muitas. Beijo.

      Eliminar
  37. Belo texto, Céu... e que bela utilização da cadeira! ;) Boa semana.

    ResponderEliminar
  38. Minha amiga vim lhe dizer que abrir um novo espaço http://vivereserfelizdavida.blogspot.com.br/ Uma feliz noite. Beijos.

    ResponderEliminar
  39. Desde pequena que tenho um certo fascínio por cadeiras de baloiço, nem sei bem porquê, talvez pela sua forma envolvente e o seu movimento relaxante.
    Amiga do peito, confidente...
    Beijinhos e boa semana :)

    ResponderEliminar
  40. Saudações Ceu! Senti cada sentido e dei sentido aos sentimentos sentidos! Do frio do cetim ao conforto do balanço..... Beijos e abraços!

    ResponderEliminar
  41. Passando para te cumprimentar e desejar uma ótima semana para ti e para os teus.

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderEliminar
  42. Adoro cadeiras de balouço e gostei muito do seu Poema !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seja bem-vinda, Hélia!
      Agradeço visita e comentário.

      Eliminar
  43. Boa tarde, cadeira de baloiço que sabe ler os seus pensamentos, que lhe dá o conforto quando viaja até ao infinito.
    AG

    ResponderEliminar
  44. Tema sensual y estimulante, en el que la mención del gran Moliere le da el toque alegre que tu regio post implica.

    Un abrazo grande.

    ResponderEliminar
  45. Ya comenté esta entrada pero por alguna razón misteriosa no ha salido mi respuesta.
    Te decía que desde esa mecedora se respira libertad,algo que necesitamos tanto como el respirar.

    Espero que esta vez se publique,aunque no puedo añadir mucho más porque no encuentro el traductor por ningún sitio...

    Abrazos Céu

    ResponderEliminar
  46. Na minha sala tem uma cadeira de balanço que me acompanha deses a juventude, agora vou ter que olhá-la com outros olhos.
    Um abraço, paz e bem

    ResponderEliminar
  47. Que dizer mais da tua escrita, dos teus belíssimos poemas, sem me repetir constantemente, minha querida amiga !? ...
    Podes crer que me é muito difícil, fazê-lo em poucas palavras, sem me repetir e vulgarizar ! ... e tu sabes que eu gosto de ser perfeccionista e singular no que escrevo !
    Por isso, quantas vezes, passo simplesmente para te ler e ficar deliciado com o que tão bem escreves e descreves, fazendo-me sentir completamente dentro do contexto !
    O erotismo, a sensualidade, é isso mesmo ! ... e tu tens essa rara capacidade de, subtilmente, nos fazeres sentir o que te vai na alma, o que sentes e nos pretendes fazer sentir ! ... e podes crer que, exímia no "jogo" das palavras, o consegues em absoluto, fazendo-nos transportar para dentro de ti !

    Um Grande Abraço e mais uma vez, ... adoro a tua escrita ! És muito especial !
    .

    ResponderEliminar
  48. No me rindo Céu,soy muy tenaz.Vuelvo a intentarlo.
    Gracias por tu traductor nuevo,me facilitará las cosas.
    Tu poema me sigue transmitiendo sensación de libertad e independencia.Una mecedora cómplice la tuya que llega a levantar pasiones...:)

    Un abrazo. (A ver si ahora,por fin...)

    ResponderEliminar
  49. Oi Céu! Aqui estamos todos bem, e fico feliz que estejas também.

    Obrigado pela visita e gentil comentário deixado no nosso Literatura & Companhia Ilimitada.

    Beijos e muita saúde e paz para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  50. Espero não tê-la desagradado,
    mas você aparece de novo no Contracanto.
    Quando puder, dê uma olhada.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  51. É muito profundo o que você escreve, faz de uma maneira suave quem ler, sonhar, uma doçura sem lambuzar, mas de certo que fazemos "viagens" incríveis com cada linha que lemos sem parar

    Beijos
    Rafael

    ResponderEliminar
  52. Tiveste uma boa ideia
    Vamos os dois ao balanço
    Que não fique nenhum ranço
    De coisa ultrapassada
    Nessa nova, inusitada
    Faremos uma boa estreia!
    Kisojn.

    ResponderEliminar
  53. Olá amiga querida, td bem? Estou de volta e com postagem nova no blog!
    Admiro muito as suas poesias, é sempre bom te visitar!

    Tenha uma ótima semana!!

    Bjs

    ResponderEliminar
  54. SIEMPRE ME IMPRESIONAN TUS TEXTOS...!
    ABRAZOS

    ResponderEliminar
  55. Boa semana, Céu. Aguardo o próximo post!

    ResponderEliminar
  56. Eu sei que vais baloiçar
    No tempo deste Verão.
    É, mesmo, o descansar
    Que nos dá outra razão.


    Beijos



    SOL

    ResponderEliminar
  57. Bom dia, Céu! Venho só desejar-lhe um excelente semana conforme os seus desejos.
    AG

    ResponderEliminar
  58. Recibes rosas, pues tu eres una....
    Te saludo en vida
    Isaac

    ResponderEliminar
  59. Hoje, vou pôr um baby-doll de cetim escorregadio, que impressione
    burguês, de alças safadas, à mercê e bem à vontade do freguês
    de pezinho ao leu e cabelo emproado com um acessório provisório
    que é verbo de encher, pois já está todo torto, lasso, quase solto.
    Sobre a minha pele, ai que desavergonhada, não tenho nada, nada
    porque sou liberdade, natureza sem espartilho e toda, toda vontade
    que se vê no cruzar e descruzar de pernas, melhor que Sharon Stone
    numa elegância total, irreverência voraz, atraente e substância fatal.

    Linda e provocante. mais uma vez aqui para me deliciar com a leitura deste teu belo poema, e agradecer a tua visita e amável comentário deixado no nosso Arte & Emoções.

    Beijos e muita saúde e paz para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  60. Olá prezada Céu, e que tudo esteja bem contigo!

    Intensa sensualidade baloiçante, não ha como não se deixar levar pela imaginação, e tem sido sempre assim que por cá passo, intensidade de sentimentos cá expressos que fazem deveras a imaginação viajar prazerosamente, obrigado por compartilhar, e também pelas gentis visitas e carinhosos comentários por lá, fica na paz do criador, abraços e, até mais!

    ResponderEliminar
  61. Não andei fugido, apenas envolto em trabalho e em mil e umas coisas que tinham que ser feitas.
    Vim ler, uma vez mais, para motivar.
    Espero esteja bem.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  62. Una resbaladiza baby-doll de satin .... vaya que atractiva idea.

    Un abrazo grande!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  63. Se nota la pasión en cada letra de tu poema.

    ResponderEliminar
  64. Todos temos nosso lugar mágico, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  65. Estonteante e emocionante poema!
    No qual a Céu, nos agarra e envolve com as palavras... balança-nos o espírito... e faz-nos viver a emoção...
    Já tinha saudades de passar por aqui...
    Estive ausente nas últimas semanas, devido a uma avaria no pc... só deu para voltar por estes dias... e ainda estranhando as novidades instaladas no novo sistema...
    Esperando que esteja tudo bem aí desse lado, deixo um monte de beijos, e votos de um excelente fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar

NOTA

ESTE BLOGUE FOI CRIADO A 14 DE FEVEREIRO DE 2015

Número total de visualizações de página


Quiero uno en mi blog

ACORDE, PARA O ACORDO!

ACORDE, PARA O ACORDO!